quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Mesmo sem levar gols, Papão quer melhorar defesa


O Paysandu no momento está com sua defesa invicta, sem sofrer nenhum gol e marcando quatro nos dois primeiros jogos do Parazão. A lógica seria imaginar que o time tem uma defesa impecável, mas, na prática, a defesa tem sido um dos setores mais criticados do time. Ainda dando muito espaço para os adversários, especialmente no primeiro tempo dos jogos, o setor defensivo tem exposto o arqueiro Emerson, que até aqui tem respondido bem.

O comentário, que poderia passar por uma avaliação maldosa ou exageradamente rigorosa, na realidade faz parte da autocrítica bicolor. “Ainda temos muito o que melhorar, mas felizmente teremos uma semana cheia para trabalhar para o jogo contra o São Raimundo, dia 14, que vale a classificação” comenta o zagueiro Gilvan. Titular ao lado de Fernando Lombardi, Gilvan avalia que o mais importante no início da competição é garantir os pontos em disputa, mas fica feliz com o período mais longo de treinos até o jogo. 

“Trabalhar forte essa semana para melhorar a cada jogo. O professor tem cobrado muito da gente durante essa semana para melhorar bem o tempo de bola e mais alguns ajustes. Ainda tem muito do Gilvan e muito do Lombardi a melhorar”, comenta o defensor alviceleste.

Gilvan destaca que o técnico Dado Cavalcanti tem dado especial atenção aos trabalhos no setor da defesa. “A gente tem trabalhado muito, entre outras coisas, a aproximação das linhas do time, que tem jogado muito afastado. Fora isso, tem outros detalhes que a gente já não pode passar pra não dar dicas demais pros adversários”, brinca o zagueiro bicolor.

CORRIGINDO DEFEITOS

Após a partida contra o Independente, em Tucuruí, as atividades no Paysandu começaram a diminuir. Na sexta-feira, após o jogo, apenas os atletas não relacionados trabalharam na Curuzu e, durante o final de semana da folia momesca, o grupo teve folga e retornou aos treinos apenas nesta segunda-feira, no horário da tarde. A chuva pesada que se abateu sobre Belém mudou um pouco a programação do elenco, que faria atividade no campo do Kaza, em Ananindeua, e terminou por treinar no estádio da Curuzu mesmo, sob o comando de Dado Cavalcanti.

O grupo bicolor realizou três tipos de treinamento: o primeiro de manutenção, no gramado da Curuzu, e em seguida reforço muscular, na academia do estádio - os dois voltados mais para a parte física. A terceira parte da atividade já focou na parte técnica. O grupo retornou ao gramado e realizou um trabalho de dois toques. Dado focou durante o trabalho na aproximação dos setores do time e nas viradas de jogo, dois dos defeitos mais recorrentes vistos nas primeiras partidas.

O técnico ainda não adiantou detalhes sobre o time que deve jogar contra o Pantera, mas sinaliza na manutenção da formação utilizada até aqui, com a ênfase na correção dos defeitos apresentados. O time terá atividade ao longo de toda semana, inclusive no sábado, véspera da partida contra o São Raimundo, pela penúltima rodada da fase de classificação do 1º turno. 


**Fonte Diário do Pará

Dor na coxa tira Crystian de treino; Ricardo Capanema faz transição

Esta terça-feira é de jornada dupla aos jogadores do Paysandu. Pela manhã o elenco foi até o campo do Kaza, em Ananindeua, para realizar um trabalho técnico e tático sob o comando do técnico Dado Cavalcanti. Sem jogos no meio de semana, a equipe se prepara para enfrentar o São Raimundo no próximo domingo, no Colosso do Tapajós, em Santarém, pela terceira rodada do Campeonato Paraense
Durante a movimentação da manhã foi realizado uma espécie de mini-jogo com jogadas de ataque contra defesa. Não participou do trabalho o lateral-direito Crystian, que segue no departamento médico do clube com dores na coxa direita. Por outro lado, o volante Ricardo Capanema já está liberado pelo DM bicolor e realizou trabalho de transição. A expectativa é de que em breve o jogador volte a trabalhar com o restante do grupo. 
Já durante esta tarde foi realizada mais uma sessão de treinamentos físicos, porém no Estádio da Curuzu. A imprensa não teve acesso ao trabalho.
**Fonte GloboEsporte/PA

Goleiro Emerson assume postura de líder do Paysandu dentro de campo e cobra seriedade do time

Quatro gols convertidos e nenhum sofrido em dois jogos: a marca é boa para o ataque bicolor e muito melhor para a defesa. Mas nada que empolgue o goleiro Emerson, remanescente do time de 2015, que avisa: quem se empolgar, ele mesmo dá uma bronca. O goleiro recebeu elogios da torcida pelas boas defesas que, se no primeiro jogo mantiveram a defesa zerada, na partida contra o Independente podem ter garantido a vitória. E é dando bronca, a cada bola que a zaga deixa passar no decorrer dos jogos, que o goleiro Emerson procura manter a regularidade do Papão. “Eu gosto de comemorar só no final, quando realmente os objetivos estão alcançados, tudo está concretizado”, dispara o goleiro.
O Papão continua o planejamento da semana sem jogos. A equipe treinou na manhã de ontem no campo do Kaza, em Belém, onde realizou atividade técnico-tática, com exercício de ataque contra defesa. Amanhã, as atividades vão se fixar no estádio da Curuzu, pela manhã e à tarde. E, na sexta-feira (12) pela manhã, se encerram, na Curuzu, as atividades em Belém. No sábado (13), o Papão embarca cedinho para Santarém, no Baixo Amazonas, onde, à tarde, ainda realiza o último treino antes da partida contra a Pantera. É nesse tempo que Dado pretender arrumar a equipe. 
As primeiras rodadas do Parazão deste ano mostraram a regularidade do torneio. Se o jargão repete que não tem mais bobo no futebol, o goleiro Emerson referenda: “Hoje não tem equipe fraca no Parazão”. “Acaba diferenciando pouca coisa de uma equipe grande como o Paysandu para as demais”, avaliou o goleiro, remanescente da última temporada. O que é um obstáculo ao entrosamento, na opinião do atleta. É que, além de Emerson, apenas Leandro Cearense, Fernando Lombardi e Augusto Recife permanecem no time titular. “No início, já sabíamos que iria ter dificuldade de entrosamento. Alguns detalhes que estão sendo ajustados”, completa Emerson. 
De repente, com seis pontos, nenhum gol tomado, dois jogos por se realizar e a última partida dentro da Curuzu, contra o Tapajós, a equipe bicolor poderia até se entregar a certa empolgação. Mas isso é quase um xingamento para Emerson. “Empolgação jamais”, decreta o goleiro com postura de capitão. “Quem estiver pensando isso no início do ano e do campeonato, está totalmente equivocado. Se eu ver isso dentro do grupo, eu chamo atenção”, adverte. Para ele, “tem que haver alegria, mas empolgação logo no começo e esse pensamento de atropelar todos os times, com certeza, não vai deixar acontecer com nosso grupo”. 
O goleiro com jeito de xerife já é conhecido por, além das boas defesas que vem protagonizando,  chamar a atenção do seu time. Mas essa não é uma postura do calor da partida. Afora os jogos e os treinos, o goleiro procura entender as características de cada jogador, sempre em consonância com as orientações de Dado Cavalcanti. “É conversar muito fora dos treinos, tendo uma conversa individual com o atleta, sabendo do jeito que ele gosta mais de jogar”, conta Emerson. No decorrer das partidas, o Dado também fala e, para Emerson, é preciso estar atento às instruções do treinador. Aos companheiros, uma aviso. “Se tiver que elogiar, vou elogiar; se tiver que dar bronca, vou dar bronca.”
**Fonte JAmazonia

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Bruno Veiga treina com o grupo. Crystian sente dor e vira dúvida.

Depois da regularização no Boletim de Informações Diárias (BID) da Confederação Brasileira de Futebol, o atacante Bruno Veiga treinou normalmente com a equipe na tarde de ontem. O volante Ricardo Capanema já ultrapassou o Departamento Médico, passando à busca pelo condicionamento físico; ontem ele deu voltas em torno do campo da Curuzu. Boas notícias, que duraram apenas até o início do trabalho com bola. Logo nos primeiros toques, o lateral Crystian sentiu dores no joelho e saiu de campo direto para a avaliação do DM, que deve se pronunciar ainda hoje sobre o jogador. Para cada pergunta respondida, uma nova questão a ser sanada: com a recuperação de Capanema, o volante retorna ao lugar de Ilaílson, que o substituiu, ou Dado Cavalcanti vai manter a equipe na atual formação?

**Fonte JAmazonia

Paysandu muda local de treino e faz trabalho físico e técnico na Curuzu

A segunda-feira foi de intensos trabalhos para os jogadores do Paysandu. A forte chuva que atingiu a Região Metropolitana de Belém forçou mudança de planos. O elenco não foi treinar no campo do Kasa, em Ananindeua, e ficou na Curuzu, onde realizou três tipos de treinos: primeiro de manutenção, em seguida reforço muscular na academia do estádio e depois um trabalho técnico, com bola, no gramado.
Durante a movimentação em campo, o técnico Dado Cavalcanti viu a equipe realizando jogadas de dois toques, cobrando aproximação dos atletas, e também viradas de jogo. O treinamento – que começou por volta das 16h30 – terminou tarde, próximo das 18h30.
O restante da semana tem programação cheia para o elenco bicolor, com treinos todos os dias. O Papão tem programada uma movimentação inclusive no sábado, véspera da partida contra o São Raimundo, porém o trabalho será leve, de reconhecimento do gramado do Estádio Colosso do Tapajós, em Santarém. A delegação viaja ao Oeste do Pará na manhã do dia 13, às 7h40. 
**Fonte GloboEsporte/PA

Duelo com o São Raimundo pode garantir o Papão na semifinal

Sobre os aspectos a serem melhorados na equipe do Paysandu, o zagueiro Gilvan disse poucas frases, mas que sempre terminavam com “vamos fazer de tudo para o Paysandu sair com o melhor resultado”. O defensor diz que estará apto para qualquer cenário, desde a maratona de jogos a um descanso extenso, mas que esta semana sem jogos vai ser importante para consertar as avarias da equipe. “Mas essa é uma semana longa, vamos para trabalhar, acertar os erros. Aconteceram muitos erros, então temos a semana toda para consertar”, avaliou o zagueiro do Papão. Antes de vir ao Pará, Gilvan não tinha notícias do interior do Estado. “Eu achava que era só Remo e Paysandu, mas os times do interior estão fortes.”
O jogo contra o São Raimundo é um confronto direto. Com a vitória, o Papão vai começar a pensar no adversário das semifinais. Só que, agora, o time tem tempo para o descanso, a viagem a Santarém é curta e o campo tem tamanho normal. Um contexto diferente da partida contra o Galo Elétrico. O torcedor, portando, vai cobrar mais do Papão. “Fisicamente, tem que melhorar mais. A cada jogo, tem que melhorar mais”, repetiu o zagueiro Gilvan. “Não só a parte defensiva, mas a parte do ataque. Isso o professor vai trabalhar pra gente chegar bem nos jogos.” O trabalho do professor esteve no ajuste das linhas da equipe bicolor, mas nada que Gilvan quisesse comentar, “para não dar arma ao adversário”.
**Fonte JAmazonia

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Sistema tático mais tradicional agrada Celsinho

Como todo bom atleta com boa qualidade de passe e habilidade, Celsinho prefere um jogo com a bola no chão, tocando e envolvendo o adversário. Foi assim na estreia do campeonato, quando o bom gramado da Curuzu deu totais condições.
Mas nesse período do ano as chuvas costumam ser uma constante, e o atleta afirma que o grupo tem trabalhado alternativas para os jogos em condições mais adversas. “Caso tenha chuva e não consigamos fazer da forma que fazemos melhor, com a bola no pé, de forma técnica, temos que procurar outro caminho. Hoje em dia a bola parada ajuda a definir muitos jogos e temos atletas experientes e com qualidade nesse tipo de jogada. O importante é a superação, que tem que acontecer sempre. Sabemos as dificuldades, sabemos de tudo, e temos que saber passar por cima”, disse Celsinho.
As jogadas com bola parada são apontadas pelo meia como um dos lances que o técnico Dado Cavalcanti mais tem dado ênfase durante seu trabalho de pré-temporada, não apenas por pensar no Campeonato Paraense e sua chuva constante. “A equipe vem treinando isso a pré-temporada inteira, que é justamente para não ter essas dificuldades ao longo da temporada. Bola parada, muitas vezes, é o que decide um jogo muito equilibrado”, comentou.
Sobre sistema tático e formação, Celsinho afirma ser um apreciador do bom e velho 4-4-2. “Eu gosto dessa formação de dois meias e dois volantes no quadrado de meio campo. Você tem uma segurança maior com dois volantes e opções de criar maiores. A maioria dos times anda jogando no 4-2-3-1, ou 4-1-4-1, mas o 4-4-2 para mim é o mais básico e o que dá mais resultado”, explicou, elogiando o parceiro Raphael Luz “um meia de verdade” e o bom entendimento com Fabinho Alves e Leandro Cearense no ataque.
**Fonte Diário do Pará

Mudanças à vista, Dado?

Técnico tem um bom tempo para avaliar se promove alterações no papão para os próximos compromissos

O espaço de dez dias entre o último compromisso do Papão e a terceira rodada do Parazão, quando o clube enfrenta o São Raimundo, no Colosso do Tapajós, em Santarém, é um tempo de reflexão para o técnico Dado Cavalcanti. Depois de praticamente um mês de pré-temporada, um amistoso contra o Castanhal e dois jogos pelas primeiras rodadas do Campeonato Paraense, há como se traçar um panorama do time. E é sobre esse panorama que Dado vai refletir – e escrever as novas diretrizes do time, incluindo as substituições.
Para a próxima partida, quando o Papão pode selar a classificação às semifinais do Estadual, a equipe terá uma novidade. As notícias do Boletim de Informações Diárias (BID) da Confederação Brasileira de Futebol, onde são formalizadas as contratações do futebol brasileiro, podem garantir modificações no ataque bicolor. Depois de consolidar sua contratação, o atacante Bruno Veiga retorna à equipe. A pergunta é: no lugar de Leandro Cearense ou de Fabinho Alves? Considerando o perfil dos atletas e a proximidade de Dado Cavalcanti em jogar no esquema 4-4-2, a comissão técnica tem uma difícil decisão nas mãos.
Do Departamento Médico, a novidade aguardada é o volante Ricardo Capanema. O atleta ainda se recupera de uma lesão no bíceps femoral da coxa direita: um edema o impede de estrear pelo Paysandu na temporada deste ano. O DM ainda não deu prazo para o retorno do volante à equipe. A única garantia era a de que Capanema estaria fora da estreia, mas o time já vai para a terceira rodada sem seu defensor. Até o retorno do jogador, quem ocupa sua vaga é Ilaílson. Quem também se recupera é o zagueiro Gualberto, que foi submetido a procedimento cirúrgico no joelho direito, ainda no final do ano passado.
No campo tático, Dado vai prosseguir na busca pelo novo conceito de jogo a ser implantado na temporada 2016. Um conceito que surge da necessidade. Com a saída do lateral Yago Pikachu, o time perdeu fluxo de jogo pelos flancos, já que Yago tinha características técnicas e ofensivas de um meia. Dado busca, agora, uma equipe robusta pelo meio de campo, se aproveitando mais efetivamente dos meias, setor já reconhecido pelo próprio treinador como subutilizado no ano passado.
Se na primeira partida contra o Paragominas o time demonstrou que começa a entender a nova forma de jogo, no embate contra o Independente os meias Celsinho e Raphael Luz pouco apareceram. Os muitos toques de bola errados e a falta de coesão entre os setores do ataque e da defesa foram atribuídos, por Dado Cavalcanti, ao extenso campo do Navegantão. Uma premissa que será posta à prova no próximo jogo, no estádio do Colosso do Tapajós, este, sim, com dimensões oficiais.
Dos dez dias entre a última e a próxima partida, dois foram de folga. O time volta aos trabalhos na tarde de hoje, no estádio da Curuzu: segunda-feira gorda de conversa. Conversa sobre a manutenção dos resultados, apesar das falhas a serem sanadas: seis pontos em dois jogos, quatro gols convertidos e nenhum sofrido, além das boas defesas do goleiro Emerson. Por mais que a comissão técnica exija outra postura do time em muitos aspectos, o Papão é time 100% no Parazão deste ano.
A comissão técnica deve fazer a conta junto aos atletas: só a vitória garante o Paysandu nas semifinais da Taça Cidade de Belém ainda na terceira rodada. Alcançando os três pontos em Santarém, o Papão chega aos nove pontos, podendo ir despreocupado para a última rodada, quando joga novamente em casa. Caso consiga o empate, estará muito próximo da classificação e apenas uma combinação de vitórias consecutivas de Independente e São Raimundo poderia deixar o Papão de fora das semifinais do primeiro turno.
Copa Verde - Falta pouco para ser conhecido o adversário do Paysandu na primeira fase da Copa Verde. Na primeira partida da fase preliminar, de onde sairá o adversário do Papão, o Águia de Marabá deu o primeiro passo, vencendo o Fast-AM, no último sábado (6), na Arena da Amazônia, em Manaus (AM), por 1 a 0, com um gol do zagueiro Bernardo. Agora o Azulão joga em casa a segunda partida, no dia 17 deste mês, no estádio Zinho Oliveira. Ao final dos dois jogos, o classificado na fase preliminar enfrenta o Papão, no dia 9 de março, com horário e local ainda a ser definidos.
**Fonte JAmazonia

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Handebol: Paysandu se tornou Decacampeão Paraense

O time de Handebol Feminino do Paysandu Sport Club se tornou DECACAMPEÃO (2002, 2004, 2005, 2008, 2009, 2010, 2012, 2013, 2014 e 2015), após vencer o time da Apec/Parauapaebas por 16 a 15, no dia 23 de janeiro, na cidade de Abaetetuba, em partida válida pela final do Campeonato Paraense de Handebol Feminino 2015, que foi realizada no ginásio municipal da cidade.
A técnica do Handebol Bicolor, Davina Gadelha, disse em entrevista ao site oficial do Paysandu sobre a conquista do deca campeonato. "As nossas atividades de Handebol no Paysandu começaram em 2002, através do Diretor de Esportes Olímpicos, Miguel Sampaio, e de lá para cá, nós viemos conquistando os títulos. A equipe da Apec/Parauapebas, que é um grande time, só valorizou esse deca campeonato. Foi um jogo bastante equilibrado, difícil, mas conseguimos vencer e terminar a competição como campeãs.”
A atleta Nayara Serrão foi eleita a melhor da partida.
A equipe bicolor se reapresenta no próximo dia 15 de fevereiro, visando a temporada de 2016
**Fonte Site Oficial do Paysandu

Aplicativo do Paysandu é o 3º mais baixado entre os apps esportivos

O Paysandu segue comemorando o sucesso do seu aplicativo oficial. Após anunciar que, em dois dias, o programa havia ultrapassado a marca de 11 mil downloads, neste sábado, através do Twitter, o Papão confirmou que os números aumentaram para 14 mil e que o aplicativo já é o terceiro mais baixado entre os apps esportivos gratuitos para Android.
O Paysandu lançou o seu aplicativo oficial para as plataformas IOS e Android na última terça-feira, dia do aniversário de 102 anos do clube. De acordo com o site bicolor, o Papão é pioneiro no Norte a ter o programa, desenvolvido pela empresa Ideias Mobile, em conjunto com o departamento de comunicação do clube.
Na plataforma, o torcedor poderá ver a história do Paysandu com registros fotográficos inéditos, a tabela de jogos na temporada, últimas notícias - que são postadas de forma sincronizada ao site -, além uma área da PapãoTV com os últimos vídeos, e um mural do torcedor.
**Fonte GloboEsporte/PA