terça-feira, 16 de setembro de 2014

Calmaria toma conta do elenco: “Sensação de dever cumprido”

Depois de desembarcar em Belém na manhã de ontem, o elenco bicolor se prepara para retornar aos treinos hoje. Até sexta-feira, um dia antes do confronto com o Cuiabá-MT na Curuzu, o Paysandu treina somente um período. Na próxima segunda-feira (29), o Papão enfrenta o Treze-PB. Os jogos são decisivos para as pretensões da equipe na Terceirona, por isso tanta preocupação em poupar os atletas. Para se classificar, o time bicolor precisa vencer os dois jogos dentro da Curuzu. Na opinião de Fábio Alves, o apoio da Fiel pode fazer a diferença nas próximas partidas. 
“Voltamos tranquilos para as duas partidas dentro de casa, com a sensação de dever cumprido. Mas esses dois jogos serão muito complicados. Os adversários que enfrentarmos na Curuzu provavelmente vão se fechar. Tanto nós quanto a torcida teremos que ter paciência. Esse apoio é fundamental se pretendemos nos classificar”, afirmou o lateral esquerdo.
O técnico Mazola Júnior não poderá contar com o volante Augusto Recife, expulso no jogo diante do Tricolor do Pici. A expectativa fica por conta da volta do meia Héverton e dos atacantes Dennis e Ruan, que estão em tratamento médico. O zagueiro Charles deve permanecer no time. Até ontem, a possível transferência para o Palmeiras-SP não havia sido concretizada.
A possibilidade de mudanças na equipe é vista com naturalidade pelo lateral bicolor. Segundo ele, a necessidade de vencer e a qualidade do elenco praticamente obrigam o técnico a adequar o time para a ocasião. “O Mazola tem boas opções para armar o time, o grupo é forte e alguns jogadores estão se recuperando de lesões. Tudo isso vai fortalecer a equipe”, finalizou Fábio Alves.
**Fonte JAmazonia

Curuzu vai virar um caldeirão

Liberado pelo departamento médico, Héverton deve reforçar o meio-campo do Paysandu jogo será contra o Cuiabá-MT.

A diretoria do Paysandu quer transformar a Curuzu em um verdadeiro caldeirão no próximo sábado, data do jogo contra o Cuiabá-MT. Para atrair a torcida, o clube baixou o valor das entradas, que ficaram significativamente mais baratas do que aquelas para a última partida no Leônidas Castro. Na reabertura do estádio bicolor, contra o Salgueiro-PE, o ingresso para a arquibancada custou R$ 50,00, e a cadeira, R$ 100,00. No sábado, os valores serão R$ 30,00 e R$ 80,00, respectivamente. Os ingressos estarão à venda a partir de amanhã. 
Ontem, o clube anunciou uma novidade para quem for comprar meia-entrada. Antes comercializados na própria Curuzu, os bilhetes com a metade do preço normal só poderão ser comprados depois de ser feita a reserva através do site oficial do clube (www.paysandu.com.br). O torcedor preencherá um formulário e terá que buscar o ingresso na hora, dia e local indicados no próprio site. O pagamento acontecerá somente quando o torcedor for buscar o ingresso. Ao todo, serão 500 meias-entradas e as reservas poderão ser feitas a partir das 12 horas de hoje até às 16 horas de quinta-feira.
Os interessados deverão cumprir quatro exigências para a compra dos bilhetes mais baratos: 1) Só poderá retirar ou comprar ingresso de meia-entrada o torcedor que tiver feito a reserva pelo site oficial; 2) O torcedor só poderá receber um ingresso de meia-entrada por CPF; 3) Ninguém poderá buscar o ingresso de meia-entrada de outro torcedor; 4) Só receberá o ingresso de meia-entrada o torcedor que apresentar os seus documentos com foto (Identidade, carteira de motorista ou Carteira de Estudante).
Para o treinador Mazola Júnior, em declaração dada ainda em Fortaleza (CE), no domingo à noite, depois do empate sem gols com o líder Fortaleza-CE, este é o momento da Fiel aparecer. “Nesse momento da competição os resultados estão aparecendo e estamos levando poucos gols. Agora, vamos para dois jogos na Curuzu e chegou o momento da Fiel fazer sua parte”, disse. “O clube passa por problemas financeiros e se não fosse o profissionalismo desse grupo seria mais difícil. Por isso digo que chegamos a um momento de decisão”, completou Mazola.
Apito - Os árbitros para a partida de sábado já foram definidos pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol). O paulista Leandro Bizzio Marinho será o principal, que terá como assistentes os conterrâneos Alberto Poletto Masseira e Maiza Teles Paiva. O paraense Joelson Nazareno Ferreira Cardoso será o quarto-árbitro.
**Fonte JAmazonia

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Papão vai decidir a vaga perto da fiel

Time empata com o Fortaleza e agora terá dois jogos em Belém

Diz-se no futebol inglês que, quando um time arma uma retranca, ele “estaciona um ônibus em frente à área defensiva”. Talvez pensando nesse dito que o técnico Mazola Júnior armou o Paysandu nas duas partidas seguidas fora de casa contra o primeiro e o segundo colocado do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. A estratégia defensiva ao extremo surtiu um efeito melhor do que o esperado pelos bicolores, que previam dois pontos contra Botafogo-PB (2º) Fortaleza-CE (1º) e conseguiram quatro. Semana passada o Papão venceu em João Pessoa (PB) e ontem empatou sem gols com o Tricolor do Pici na capital cearense. Com 20 pontos na quinta colocação, o time paraense está a apenas um do G-4 e vai para dois jogos seguidos na Curuzu, ambos com expectativa de casa cheia. No próximo sábado, às 18h30 o jogo será contra o Cuiabá-MT. Na segunda-feira, 29, às 21h30, o adversário será o Treze-PB.
Para o jogo desse final de semana, o técnico Mazola Júnior já deve ter à disposição o meia Héverton e o atacante Dennis, que ficaram de fora por causa de lesões. O também atacante Ruan, que já está no trabalho de transição depois de ser liberado do departamento médico, também corre contra o tempo para ser relacionado. A ausência será o volante Augusto Recife, que levou o cartão vermelho ontem e terá que cumprir suspensão automática.
Em dois confrontos fora em que o setor defensivo foi o destaque, os zagueiros foram alguns dos mais elogiados. Para Charles, que pode estar vivendo seus últimos dias na Curuzu (ver matéria), comentou que a garra apresentada nas últimas partidas tem sido o diferencial na recuperação no campeonato. “Às vezes não dá na técnica, então tem que ser na vontade. Fomos guerreiros, lutamos, demos carrinhos e conseguimos um bom resultado”, disse. “Sabemos que não chegamos ao nosso objetivo, ainda. Conseguimos bons pontos fora de casa, mas ainda temos que lutar muito por essa classificação”, completou Charles.
Para Fernando Lombardi, o 0 a 0 de ontem deve ser comemorado pelo que aconteceu durante os 90 minutos. “Foi bom dentro das circunstâncias. Suportamos bem e de forma consciente. Queríamos a vitória, mas empatar aqui com o Fortaleza não é fácil.” O zagueiro salientou a importância das duas rodadas seguintes dentro de casa depois de bons resultados como visitante. “Foram dois jogos difíceis fora de casa contra equipes que estão no G-4. Nós nos portamos muito bem defensivamente e tivemos muita entrega. Agora são dois jogos dentro de casa e contamos com a ajuda do torcedor para tentarmos a nossa classificação.”
Expulsão no 2º tempo foi injusta, diz meio-campista bicolor
Na metade do segundo tempo, em uma disputa de bola entre volantes, o bicolor Augusto Recife afastou a bola da área paraense e deixou o pé no movimento que fez, acertando a coxa do tricolor Guto, que em seguida agrediu o adversário sem bola. Diante de reclamações dos dois lados, o árbitro baiano Marielson Alves Silva optou pela decisão mais fácil e deu cartão vermelho para ambos. Para o jogador do Paysandu, uma injustiça. “Todos viram que eu fui agredido e, infelizmente, o árbitro não teve peito de expulsar apenas o jogador do Fortaleza. Paguei por algo que não fiz”.

Sobre o jogo, Recife garante que a postura quase que exclusivamente defensiva não foi necessariamente uma orientação do treinador e sim uma circunstância do confronto. “Não foi uma orientação. Tentávamos sair, mas o Fortaleza marcou bem, também. Tivemos humildade nesse momento e isso é importante para quem quer se classificar. Ainda assim, o time está de parabéns pelo que fez. Mais um jogo sem levar gols e diante de uma equipe muito forte. Acima de tudo, o importante foi o resultado. Agora, vamos para dois jogos decisivos dentro de casa.”

O meio-campista faz um paralelo entre a atual campanha com a de 2012, quando o Papão conseguiu a classificação nas cinco rodadas finais e conquistou o acesso no mata-mata. Para ele, o time bicolor tem mostrado poder de decisão nas últimas partidas e isso pode fazer diferença a partir de agora. “Está sendo parecido com 2012. O time é humilde sabendo que tem que marcar fiorte sempre. Estamos encarando esses jogos sempre como se fosse o último, sempre uma decisão.”
**Fonte JAmazonia

Paysandu se defende e arranca empate contra o Fortaleza

Fechado, Papão segura o Leão do Pici fora de casa e se aproxima do G4

Quase lá. Esse é o sentimento do torcedor do Paysandu, que vê o time largar de vez a temida zona de rebaixamento e se reaproximar do sonho, o acesso para a Série B. Jogando fora de casa, contra o líder, Fortaleza-CE, o Papão mostrou segurança defensiva e arrancou um empate diante do Leão do Pici, se aproximando ainda mais do grupo dos quatro primeiros que avançam à próxima fase.
Com um primeiro tempo ruim tecnicamente e segunda etapa final sem grandes emoções para o torcedor, o resultado não poderia ser outro a não ser que um 0 a 0 sem empolgação, com gosto de derrota para os cearenses e considerado interessante para os paraenses.
Com o resultado, o Paysandu chegou aos 20 pontos na tabela de classificação, um a menos que o quarto colocado, o Salgueiro-PE, que já acumulou 21. O Fortaleza, por outro lado, permanece na liderança do grupo A, agora com 28 pontos.
Na próxima rodada, o Bicola joga contra o Cuiabá (MT), sábado (20), às 18h30, em Belém. O Fortaleza-CE joga mais uma em casa, diante do Treze-PB, segunda-feira (22).
1º Tempo: Poucas chances e muitos erros - Em um jogo considerado clássico nesta Série C, se esperava movimentação, criatividade ofensiva e lances bonitos. Mas não foi assim que Fortaleza e Paysandu apresentaram futebol ao público nos primeiros 45 minutos de bola rolando.
Mantendo o esquema das últimas exibições, o técnico Mazola Júnior viu o seu time atuar de maneira ainda mais recuada, marcando na linha do meio de campo e tentando o contra-ataque para surpreender o adversário e marcar o seu gol. O Fortaleza, por sua vez, tinha a posse de bola, colocava o Papão ‘na roda’, mas não objetividade necessária para conseguir chegar ao objetivo.
No lado do Leão do Pici, os meias Marcelinho Paraíba e Erick Flores bem que tentaram, seja em bolas alçadas na área, fintas ou chutes de longa distância, mas não foram felizes e cediam para a marcação dos volantes alvicelestes, bem postados.
As melhores chances foram na reta final do primeiro tempo. No Paysandu, Pikachu recebeu na direita, entrou na área e meteu uma bomba com a perna direita, que passou rente ao ângulo do Fortaleza. Na equipe cearense, após cruzamento, Paulo Rafael saiu mal e a bola ficou nos pés de Fernandinho, que estava livre e chutou para fora.
O primeiro tempo, então, terminou sem gols, devendo no nível técnico e nas bolas na rede.
2º Tempo: Expulsões e empate - O cenário do segundo tempo iniciou dando pinta que seria bastante diferente. O técnico Marcelo Chamusca colocou o Fortaleza para cima do Paysandu, armando uma verdadeira blitz nos primeiros minutos, sempre com bolas cruzadas na frente do goleiro Paulo Rafael, que se segurava bem quando exigido.
O jogo esquentou com o passar do tempo, mas não foi do jeito que o torcedor que acompanhava no lance a lance do Portal ORM News esperava. Em um lance dentro da área bicolor, os volantes Guto e Augusto Recife se desentenderam, trocando agressões. O árbitro consultou os bandeiras e expulsou os dois.
Com mais espaços para jogar, o Paysandu, que só se defendia, passou a assustar o Leão com mais freqüência, fazendo o adversário também se preocupar com a defesa. E em um lance de contra-ataque, Pikachu teve a chance, de frente para o gol, mas chutou pressionado pelo zagueiro e desperdiçou grande oportunidade.
No Fortaleza, Marcelinho Paraíba ainda ditava as ações, mas já não tinha o gás dos 45 minutos iniciais, não conseguindo conduzir o Tricolor à vitória dentro de casa. Melhor para o Papão, que saiu de campo com sabor positivo do que fez fora dos seus domínios.
**Fonte Portal ORMNews

domingo, 14 de setembro de 2014

Por vaga nas quartas, Fortaleza recebe Paysandu, que mira o G-4


A um passo da classificação antecipada, o Fortaleza recebe neste domingo (14) o Paysandu, às 19 horas, na Arena Castelão, pela 15ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Com 27 pontos, a equipe de Marcelo Chamusca quer confirmar diante da torcida a vaga para o mata-mata da competição, enquanto os visitantes, com 19, buscam chegar ao G-4.

Nesta noite, o Tricolor faz o primeiro jogo na Arena Castelão após a oficialização do contrato de parceria com a administração da praça esportiva. Durante a preparação para o duelo, o comandante do Leão ressaltou que o time se encaixa bem com o gramado do estádio de Copa do Mundo e teve uma boa semana de trabalho. Além disso, espera um adversário motivado. A meta no Fortaleza é superar definitivamente a derrota por 3 a 0 para o CRB, na última rodada, e voltar os olhares para as quartas de final da Terceirona, caso triunfe em casa



No Paysandu, o técnico Mazola Júnior divulgou após o último coletivo a lista de relacionados com 18 jogadores para o jogo diante do Leão do Pici. Mesmo saindo do treino sentindo dores musculares, Héverton, por enquanto, está confirmado. Em boa fase na Série C, com duas vitórias consecutivas, o elenco do Papão espera sair da capital cearense com um bom resultado. Somente assim, os bicolores seguem firme com a missão de classificar a equipe e voltar a sonhar com a Série B.

Um trio de arbitragem da Bahia vai trabalhar na partida deste domingo. Apita o jogo Marielson Alves Silva, tendo como assistentes Marcos Welb Rocha de Amorim e José Raimundo Dias da Hora.


**Fonte GloboEsporte/PA

Ficha do Jogo: Fortaleza-CE X Paysandu-PA


Fortaleza-CE X Paysandu-PA
Campeonato Brasileiro
Serie C - 15ª Rodada

Local: Estádio Arena Castelão
Data: 14.04.14
Hora: 19hrs.

Arbitro: Marielson Alves Silva-BA
Auxiliares: Marcos Welb Rocha de Amorim-BA e Jose Raimundo Dias da Hora-BA

Fortaleza
Ricardo, Tiago Cametá, Genilson, Adalberto e Fernandinho, Guto, Corrêa, Erick Flores (Edinho) e Marcelinho Paraíba, Waldison e Robert.
Técnico: Marcelo Chamusca

Paysandu
Paulo Rafael, Pikachu, Charles, F. Lombardi e Fábio Alves, Augusto Recife, Ricardo Capanema, Zé Antônio, Airton (Jeferson Maranhense) e Héverton (Djalma), Bruno Veiga.
Técnico: Mazola Júnior

Chegou a hora da verdade

Diante do líder Fortaleza, bicolor tenta um bom resultado para seguir firme na luta pela classificação

No confronto de hoje à noite no Castelão, o líder do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro, virtualmente classificado, encara o sexto colocado, que luta para chegar a três vitórias nas quatro rodadas restantes para seguir adiante na competição. Como futebol é cheio de reviravoltas, o Fortaleza-CE, que está com a vida mansa nessa primeira fase, é quem entra mais pressionado. O Paysandu, que tenta consolidar uma recuperação incrível, vive um momento de entusiasmo que pode ser potencializado se conseguir ao menos um empate na capital cearense.
Com 19 pontos, o Papão está a apenas um do G-4 e mesmo um empate seria suficiente para ficar numa boa situação, já que, depois de encarar o tricolor, o time paraense vai para dois jogos seguidos na Curuzu e pode tentar fazer uso da força da torcida para ficar entre os quatro primeiros. A dúvida para o confronto é o meia Héverton, que se lesionou na sexta-feira e ainda não está confirmado.
O Paysandu vive um momento de euforia com as três vitórias nas últimas quatro rodadas, em especial pelos três pontos conquistados diante do Botafogo-PB, em João Pessoa (PB), a primeira vitória fora de casa na competição. “Era o que a gente tanto esperava, uma vitória fora. Estávamos jogando bem, mas ela não acontecia. Isso teve reflexo no dia a dia, em treinos melhores”, comentou o lateral esquerdo Fábio Alves, que assim como o zagueiro Charles, retorna ao time depois de cumprir suspensão automática. Para ele, uma pressão a mais depois da boa atuação na rodada anterior. “Aumenta também a responsabilidade de quem volta, que é meu caso.”
Além dos dois, o meia Djalma também está liberado para o jogo, mas fica na reserva. As ausências continuam sendo os atacantes Dennis e Bruno, que voltaram há pouco aos treinos e ainda não têm condições físicas. Mesmo admitindo as dificuldades que serão encontradas em Fortaleza (CE), os bicolores mostram-se confiantes que o time encontrou a melhor forma de jogar e está embalado na busca pela classificação.
“Todo jogo é complicado. O Fortaleza não é líder à toa, por isso está classificado. Eles não vêm de um bom resultado e a cobrança lá é igual à daqui. Eles devem vir com mais motivação, o que só dificulta mais ainda”, disse o lateral direito Yago. “Com todo mundo querendo é difícil ganhar do Paysandu. E é o que está acontecendo. O grupo fechou em busca desse objetivo. A gente vê um grupo mais unido, com todos juntos”, completou o goleiro Paulo Rafael.
O que os jogadores sabem é que uma suposta vantagem por causa da pressão sobre o adversário, que não vence há três rodadas, sendo que perdeu a invencibilidade na anterior, é algo que não deve ter reflexo dentro de campo. O experiente volante Augusto Recife diz que a campanha do time cearense é tão boa que, no elenco, deve ainda imperar a tranquilidade. “É uma pressão momentânea. O Fortaleza é o líder, perdeu um jogo só. Então, a torcida pode até estar reclamando um pouco, mas acredito que dentro do elenco há uma tranquilidade por causa da campanha.”
**Fonte JAmazonia

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Nos cálculos de Mazola, duas vitórias podem classificar o Papão na Série C

A boa fase do Paysandu enche de confiança o técnico do time, Mazola Júnior. Após a primeira vitória fora de casa na Série C na rodada passada – a segunda seguida na competição – o comandante bicolor garantiu que o time deverá conseguir se classificar para a segunda fase da Terceirona se pelo menos garantir os três pontos nos dois jogos que fará em Belém, contra Treze e Cuiabá. Segundo o próprio Mazola, não é uma promessa, pois a convicção vem dos números.
– É a situação que já vem se desenhando e nós já temos experiência nisso. O time evoluiu muito. Depois da nossa chegada o time tem 75% de aproveitamento. A tendência é que, se continuar assim, com essa dedicação e entrega, é possível que classifique. Não é promessa, são números – garantiu.
A Série C tem quatro rodadas a serem disputadas, ou seja, ainda tem 12 pontos em disputa para todas as equipes. O cálculo inicial do treinador seria que o 4º colocado deveria terminar a fase de grupos com 27 pontos. Atualmente, o Paysandu possui 19 e está em sexto. No entanto, olhando melhor a situação do Grupo A, Mazola Júnior prevê que o Papão consiga se classificar mesmo se não atingir a meta inicial. 
– Normalmente o quarto classificado vem com uma faixa de 50% de aproveitamento. Se você for colocar 50% da competição, são 27 pontos. Devido ao equilíbrio nessa reta final e com o próprio crescimento do Águia, a tendência é que essa classificação caia um pouco. Mas vamos com calma. Estamos perto do G4, faltam quatro jogos e como falamos antes do jogo: é outro campeonato. Continua sendo outro campeonato. Sem dúvida nenhuma que nessa reta final vão ser jogos equilibrados. A gente espera pelo menos conseguir, nos dois jogos aqui dentro de casa, colocar o Paysandu no G4 ou muito próximo – explicou o técnico.
O próximo adversário do Bicola é o Fortaleza, líder do Grupo A. Depois, o clube paraense terá dois jogos em casa, contra Treze e Cuiabá, que também estão no meio da tabela brigando pela classificação. A sequência, à princípio, é complicada para os Paysandu, mas o treinador bicolor assegura que os time vive seu ápice técnico e físico e que a torcida dará mais gás aos jogadores. 
– Nós já tínhamos nos atentado que o Paysandu ia chegar nesses últimos jogos no melhor momento no campeonato. Realmente é o que está acontecendo. O Paysandu vem no melhor momento na reta final. Ainda bem. Era de se esperar que a equipe fizesse uma grande apresentação. Cedo ou tarde a vitória (fora de casa) ia chegar. Foi muito importante essa vitória para gente, para valorizar grupo e a torcida. Temos certeza que naqueles dois jogos em casa, se chegarmos próximo ao G4, a torcida vai colocar o Paysandu no G4, sem dúvidas nenhuma disso – afirmou.
**Fonte GloboEsporte/PA

Mazola define os titulares

Treinador promove treinamento para escolher o time bicolor que vai para o jogo contra o Fortaleza-CE

Hoje de manhã, na Curuzu, Mazola Júnior deve definir a equipe do Paysandu que vai encarar o Fortaleza-CE nesse domingo. Mesmo com os retornos do zagueiro Charles, do lateral esquerdo Fábio Alves e do meia Djalma, que cumpriram suspensões pelo terceiro cartão amarelo, a possibilidade de contar com mais dois jogadores que estavam no departamento médico, a dúvida do técnico bicolor deve ser quanto a manutenção ou não do sistema de jogo que funcionou tão bem diante do Botafogo-PB, na primeira vitória do Papão jogando fora de casa.
Entre os jogadores, há o entendimento que o Paysandu encontrou um bom jeito de jogar fora de casa, mantendo uma solidez defensiva e ainda assim força ofensiva. “Apesar de muita gente não gostar desse esquema, deu certo. Se a gente continuar assim e os resultados aparecerem, vai ser ótimo. Conseguimos encostar no G-4 e temos que manter o ritmo, o jogo de domingo será muito complicado e temos que ter a mesma postura”, disse o lateral direito Yago.
“Com essa formação que jogamos contra o Botafogo-PB temos jogadores rápidos, bom para criar uma zona para os contra-ataques. Mas o time se comporta bem em qualquer sistema, acho que independente de jogar com três ou dois zagueiros e volantes é o mesmo”, completou o volante Zé Antônio.
O que foi destacado, também, foi a força do grupo. Vencer pela primeira vez fora de casa com cinco desfalques é apontado pelos atletas como uma prova de que o elenco todo está munido de levar o Papão para a Série B. “São jogadores importantes. Por isso que temos um grupo forte. Se a gente não tivesse um grupo bom como temos, com certeza, a equipe teria sentido muito a ausência desses atletas. Mas como todo mundo treina igual e busca o seu espaço, a qualidade é sempre a mesma”, afirmou Zé Antônio. “Foram cinco peças que não estiveram em campo e ainda assim o time que esteve em campo não sentiu isso. É a prova que o grupo é forte e focado”, concordou Pikachu.
Já o zagueiro Fernando Lombardi ressaltou a entrega de todos que têm entrado em campo para explicar os últimos bons resultados. “Isso se deve ao comportamento da equipe, comportamento o sistema defensivo, do meio-campo, a entrega de todos os jogadores. É o que está nos levando a essa condição dentro de campo.”
**Fonte JAmazonia

Novela que não tem fim

Pleno do STJD suspende sessão que decide título da Copa Verde quando votação favorecia o Papão

Pela segunda vez, a sessão do Pleno que julga o caso que decidirá o verdadeiro da Copa Verde não teve fim. Se na primeira vez ela foi adiada, ontem ela foi suspensa e deve ser retomada na quinta-feira da semana que vem, o que ainda carece de confirmação oficial. Na tarde de ontem, o Pleno do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) iniciou o julgamento do processo, mas o presidente Caio César Vieira Rocha pediu vista do processo e a sessão foi suspensa. A votação chegou a ter início e marcava dois votos a um a favor do Papão. O relator José de Arruda deu parecer a favor do Brasília-DF, ao passo que os auditores Décio Neuhaus e Gabriel Marciliano Júnior discordaram e deram provimento aorecurso bicolor.
O advogado do Brasília, André Machado, ainda aposta na manutenção da taça com o clube candango. Ele lembrou, inclusive, que os votos já proferidos podem ser revistos. “O resultado não foi proclamado, por isso os votos podem ser revistos. Ao Brasília há um alívio ao saber que o relator viu que o clube fez tudo dentro do possível e o erro foi da CBF.”
Para os advogados do Paysandu, o fato do presidente da Comissão ter pedido vistas do processo e suspendido o julgamento foi frustrante. Para Alberto Maia, diretor jurídico bicolor, o clube paraense foi prejudicado porque, disse ele, estava na iminência de ter confirmado o resultado de primeira instância.
“O Paysandu foi muito prejudicado. Estamos com dois votos a um e o próximo é membro da procuradoria e sabe que quando um atleta não está no BID não pode jogar. Vou embora daqui muito frustrado. As vistas prejudicaram demais o Paysandu”, disse. “Lamentavelmente o caso estaria encerrado hoje (ontem) e o Paysandu sairia vencedor. Temos que respeitar porque o código diz isso”, completou Maia.
O outro advogado responsável pela defesa do Paysandu, Itamar Cortes, também lamentou o ocorrido. “É uma situação inusitada. A votação começou e estava indo em um caminho bom para o Paysandu e talvez o próximo voto já definisse tudo. Mas esse pedido de vistas faz com que tudo volte qusse à estaca zero.”
“Saio daqui frustrado”, diz advogado bicolor após a sessão
No julgamento de ontem, que contou com a presença na sede do STJD do presidente da Federação Brasiliense, Jozafá Dantas, as argumentações do Paysandu e da Procuradoria do tribunal foram mantidas, mas o relator José de Arruda preferiu dar razão ao Brasília-DF baseando-se que o erro foi da CBF e não do clube. “São fatos inequívocos nesse processo que o Brasília venceu a Copa Verde e, com antecedência, protocolou a renovação dos contratos. A CBF, em todas as vezes que se manifestou, reconheceu ter errado. Alegando que houve problema de ordem técnica do software (...) Punir-se o vencedor da partida com contratos comprovadamente prorrogados constitui-se apego ao formalismo”, defendeu o relator, negando provimento ao recurso do Paysandu.
Depois do voto do auditor Décio Neuhaus, a favor do Papão, a sessão foi suspensa. O auditor Gabriel Marciliano pediu para antecipar o voto e foi dando provimento ao recurso do Paysandu. O advogado Alberto Maia, que é o diretor jurídico do clube bicolor, preferiu não comentar sobre possíveis influências políticas no julgamento, mas admitiu não saber que rumo a próxima sessão tomará. “Não gosto de falar em política. Respeito muito o tribunal, mas volto a Belém frustrado. Não sei o que pode acontecer na próxima sessão.”
O caso - Brasília-DF e Paysandu decidiram a Copa Verde e o Papão venceu o primeiro jogo por 2 a 1, em Belém. O Avião devolveu o mesmo placar na partida de volta, na capital federal, dia 21 de abril. Nos pênaltis, o time da casa levou a melhor e conquistou o título. Dias depois, o Paysandu fez uma denúncia de que quatro jogadores do Brasília (o lateral-direito Fernando, o zagueiro Índio, o meia Gilmar e o atacante Igor) não estavam com os respectivos nomes publicados no BID da CBF em tempo para os jogos.
No dia 18 de junho, o procurador-geral do STJD, Alessandro Kioshi Kishino, fez a denúncia oficial ao Tribunal, que agendou o julgamento para o dia 15 de julho, e que acabou adiado por conta de novas documentações apresentadas pelo clube candango. O julgamento foi remarcado para o dia 28, quando a 1ª Comissão Disciplinar puniu por unanimidade o Brasília e o título da competição foi para o Papão. O Brasília conseguiu efeito suspensivo, que cancelou a primeira decisão até a realização do julgamento do Pleno, que ainda vai ser finalizado.
**Fonte JAmazonia