quinta-feira, 17 de abril de 2014

Diretoria do Paysandu cogita pedir ajuda financeira a conselheiros para segurar Lima na Série C

Como a proposta da Chapecoense-SC para ter Lima na Série A é muito atraente financeiramente para o atleta, a diretoria bicolor pode recorrer a um expediente antigo para tentar manter o camisa nove: passar a sacolinha. Lima só ficaria em Belém com uma compensação financeira. Para cobrir a diferença entre a proposta catarinense e o que é pago atualmente ao jogador, a direção estuda a realização de uma coleta com a participação de conselheiros. “Estamos pensando nisso. Vamos tentar falar com os conselheiros ou quem quiser ajudar para poder segurar o homem aqui”, confirmou Sérgio Papellin, gerente executivo de futebol do Papão.

Como a saída de Lima é uma possibilidade real - o que se acontecer deve ser apenas após a segunda partida decisiva da Copa Verde, contra o Brasília-DF, dia 21 -, os bicolores já trataram de acrescentar mais uma posição na procura por reforços para o Campeonato Brasileiro.

Em declaração ao Portal ORM, o diretor de futebol Roger Aguilera afirmou que o clube alviceleste procura, atualmente, por quatro jogadores dentro do mercado nacional. “Já temos uma lista de nomes e estamos em negociação com eles. Recebemos o diagnóstico com as necessidades do time e os reforços devem chegar durante a Série C, mas está tudo em aberto ainda”.

Promoção - Um dia depois de anunciar ingressos a partir de R$ 1,00 para a decisão da Copa Verde, a diretoria do Brasília-DF vai tentar uma nova promoção para tentar levar um bom público ao estádio Mané Garrincha. Os primeiros 500 torcedores que comparecerem hoje ao escritório da direção do clube receberão de graça dois ingressos para a partida. A informação foi divulgada no perfil oficial do Colorado, nas redes sociais. Se todos os mil ingressos forem distribuídos, isso por si só já garantirá o triplo de público do que vem acontecendo nos jogos do Brasília. Nas três partidas como mandante na Coa Verde, o time candango teve 990 pagantes, média de 330.

Físico - O adiamento dos jogos com o Paysandu pela semifinal do returno foi muito bem recebido em Santarém. Exames apontaram que quase todos os jogadores do São Francisco estão abaixo da condição física ideal e sentindo dores por conta da maratona intensa de partidas pela fase de classificação. Além disso, o meia Caçula e o volante Marcelo Pitbull estão entregues ao departamento médico e são dúvidas. O atacante Nenê Apeú voltou a sentir a lesão que o deixou de fora do jogo contra o Paragominas. “Estamos tentando recuperar de todas as formas aqueles jogadores que ainda enfrentam as lesões, além de corrigir os erros do jogo passado. Temos duas decisões pela frente contra o Paysandu e queremos fazer uma grande partida em casa para levar vantagem para o confronto em Belém”, comentou o técnico Lúcio Santarém.

**Fonte JAmazonia

Atuação bicolor deixa a desejar, mas Mazola ameniza: "Sem dramalhões"

A atuação do Paysandu, na noite desta quarta-feira, foi irreconhecível. O time saiu atrás no placar, chegou a ser pressionado, mas conseguiu virar e vencer o Maranhão. O resultado mantém o time na Copa do Brasil – aguardando o vencedor de Sport x Brasília –, mas, apesar da fraca apresentação, o técnico Mazola Júnior rechaçou o rótulo de “pior partida da temporada”.
– Não (foi a pior atuação). Acho que o segundo tempo foi diferente. A etapa inicial me aborreceu bastante e me preocupou muito. Mas não há porque fazer grandes dramalhões dessa atuação. Vamos colocar os pés no chão. Não é nenhum Barcelona aqui, até porque somos um time formado por jogadores que vão jogar a Série C. Não vamos achar que é o ‘dream team’. Não somos um ‘dream team’ e hoje isso ficou provado – ponderou.
De acordo com o comandante bicolor, faltou aos jogadores do Papão mais foco na partida da Copa do Brasil, dizendo ficou com a impressão de que o time entrou em campo já pensando na final da Copa Verde, contra o Brasília, na próxima segunda-feira.
– Não gostei. Taticamente foi um encaixe perfeito. Coloquei o Pablo por causa da bola área, que é um horror no nosso time. Só que a equipe demorou muito para colocar a cabeça nesse jogo. Deu a impressão de que a cabeça estava lá na segunda-feira. Erramos muito e não simplificamos. Quando a coisa não está bem, você tem que jogar simples. Se vai ficar na firulinha, é pior ainda. Acho que depois melhoramos, no segundo tempo o Maranhão só chegou na bola aérea – afirmou o treinador
Apesar de reconhecer que um dos possíveis motivos para a atuação abaixo da média ser a decisão da Copa Verde, Mazola Júnior acredita que a atitude não pode ser repetida.
– Eu sei que temos um jogo da Copa Verde na segunda, que é uma decisão, e que isso pode ter ficado na cabeça dos jogadores. Mas atleta profissional não pode ir por aí. Paysandu é time grande, representativo. Eu quero ganhar até treino e quero meu time sempre nesse espírito. No primeiro tempo não tivemos isso e fiquei preocupado, mas melhoramos na segunda etapa, apesar de não ter sido, tecnicamente, uma boa apresentação. Entramos totalmente apáticos, desinteressados – explicou.
O resultado faz com que o Paysandu aumente a sequência de jogos invictos. Agora são 21 partidas consecutivas sem perder. A última derrota do Paysandu foi no dia 30 de janeiro, para o Independente de Tucuruí, na sexta rodada da Taça Cidade de Belém, equivalente ao primeiro turno do Campeonato Paraense.
Zagueiro liga sinal de alerta
Na saída de campo, Pablo – que nesta quarta-feira atuou como volante – reconheceu a lentidão do time em campo, e ressaltou a necessidade da partida contra o Maranhão servir de exemplo principalmente contra o Brasília.
– A gente entrou mole, devagar no início do jogo. Eles entraram como se fosse a última partida da vida deles, vieram pra cima, mas graças a Deus conseguimos vira a partida. A hora que apertou ali, soubemos colocar a bola no chão e fazer os gols que estávamos precisando. Esse jogo é para servir de exemplo. Foi até isso que o Vanderson falou no vestiário. Não podemos entrar desligados (contra o Brasília, na segunda-feira), senão podemos ser surpreendidos novamente e até pior, com uma derrota.
**Fonte GloboEsporte/PA

Paysandu vence Maranhão e avança na Copa do Brasil

Em dias de várias decisões pela Copa Verde, Copa do Brasil e Campeonato Paraense, o Paysandu conseguiu passar com sucesso pelo primeiro dos confrontos importantes nos próximos dias. Na noite desta quarta-feira (16), no Mangueirão, o Papão venceu o Maranhão, por 2 a 1, avançando para a segunda fase da Copa do Brasil.
O jogo, entretanto, começou de forma difícil. O Paysandu foi surpreendido pelo ímpeto ofensivo do Maranhão, que saiu na frente. Aos nove minutos, Elton abriu o placar. O Paysandu chegou ao empate com Lima e o garoto Leandro Carvalho, que entrou no segundo tempo.
Com a vitória, o Paysandu se classificou para a segunda fase, esperando o vencedor do confronto entre Sport Recife e Brasília. O Brasília, inclusive, é o adversário do Bicola na final da Copa Verde, jogo que será acompanhado em lance a lance no ORM News, na próxima segunda-feira (21).
1º Tempo: MAC surpreende - O torcedor que compareceu ao Mangueirão viu o início de partida bem diferente do esperado, O Maranhão, rebaixado para a segunda divisão do campeonato estadual, começou pressionando o embalado Paysandu, colocando a bola no chão e criando lances de muito perigo.
Assim como no primeiro jogo, em São Luís, o jogador Elton era a grande arma ofensiva do time de Arnaldo Lira. E foi justamente o meia que abriu o placar no Mangueirão. Aos nove minutos, após confusão entre os zagueiros do Bicolar, Elton precisou apenas escorar para colocar dentro do gol de Matheus. Maranhão 1 a 0.
O gol, de imediato, não melhorou a equipe comandada por Mazola Júnior, iniciando a insatisfação da Fiel. Yago Pikachu e Marcos Paraná, responsáveis por fazer o meio de campo trabalhar no ataque, eram bem marcados e não se conseguiam espaços para jogar.
Sem opções, o artilheiro teve que se fazer presente na oportunidade que teve para colocar a bola para dentro. Aos 38 minutos do primeiro tempo, Lima foi acionado e teve calma para dar um toque diante do goleiro Raniere, que não alcançou. 1 a 1.
O empate deu um novo ânimo para o Paysandu, que correu, foi valente e tentou chegar ao segundo gol na base do ‘abafa’, mas não teve tempo para isso. Final de primeiro, 1 a 1.
2º Tempo: Virada e classificação - Nos últimos 45 minutos, o Paysandu voltou para a partida com postura diferente. Mazola colocou o time para o ataque, criando diversas situações de gols antes do cinco minutos de bola rolando na etapa final, mas, até então, sem conseguir ser efetivo.
O Maranhão, por sua vez, teve mais cautela ao bater de frente com os donos da casa. Após algumas substituições, o técnico Arnaldo Lira formatou a equipe apostando no encaixe de um contra-ataque para o fazer o gol que lhe garantia a classificação, mas não foi feliz.
Mazola voltou a apostar na estrela de um garoto revelado nas categorias de base do Paysandu, e se deu bem. Leandro Carvalho, que entrou no segundo, tempo, deu mais poder de fogo ao ataque do Papão. Após lance com Lima na grande área do MAC, o velocista aproveitou a sobre para colocar a bola sem chances para o goleiro Raniere. 2 a 1.
O gol deu tranqüilidade e chegar com freqüência ao campo do adversário já não era prioridade do Paysandu, que preferiu evitar erros e marcou bem as jogadas exploradas pelo Maranhão, como chutes de longa distância e cruzamentos para a área.
No final, vitória bicolor e classificação para a próxima fase.
**Fonte Portal ORMNews

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Paysandu concentrado e pensando na Copa do Brasil

O Paysandu fez seu último treino antes da partida contra o Maranhão, na tarde desta terça-feira (15), em um campo localizado em Ananindeua (PA). Em uma movimentação técnica, Mazolla Júnior, treinador do Papão, observou o elenco Bicolor, que já entra em regime de concentração após o treino.
O Papão recebe o MAC em jogo de volta pela Copa do Brasil, nesta quarta-feira (16). A partida será no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, às 20h30, em Belém. O time paraense, inclusive, tem a vantagem, pois conquistou em São Luis (MA) o empate em 2 x 2.
CONVOCADOS
Goleiros: Matheus e Paulo Rafael
Zagueiros: Charles e João Paulo
Laterais: Airton, Pablo e Pikachu
Meias: Bruninho, Djalma, Heverton e Marcos Paraná
Volantes: Augusto Recife, Billy, Ricardo Capanema, Vanderson e Zé Antônio
Atacantes: Denis, Jô, Leandro Carvalho e Lima
**Fonte Portal DOL

Calendário apertado preocupa Papão e Vandick Lima dispara contra FPF

Muitos jogos em um curto espaço de tempo. Este é o dilema vivenciado pelo Paysandu, que tem a final da Copa Verde, confirmada para o dia 21, e a primeira partida da semifinal do estadual, três dias depois. O clube bicolor, através do departamento jurídico junto a Federação Paraense de Futebol (FPF), pediu o adiamento do confronto contra o São Francisco, já que o retorno de Brasília ainda está indefinido.   
De acordo com o presidente do Papão, Vandick Lima, a agência de turismo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), responsável pelas viagens do clube, até agora, sugeriu que a delegação volte da capital federal de forma dividida, a exemplo do que aconteceu na estreia do Paysandu contra o Náutico-RR. Vandick também acionou o presidente da FPF, Coronel Nunes, para tentar solucionar a questão, mas a resposta, segundo ele, foi inesperada.   
– Ele (Coronel Nunes) pediu que eu resolvesse por aqui, mas a gente sabe que somente a Federação pode intervir nesse caso. O presidente está lá na CBF, ao lado do (José Maria) Marín e me disse isso. A agência que está cuidando disso não tem experiência com futebol e sugeriu apenas que voltássemos com a delegação dividida, quando o ideal seria a CBF fretar um voo. É lamentável o descaso com que estão tratando essa competição tão importante – disparou o presidente do Paysandu. 
Vandick destaca a importância dos dois jogos. Segundo ele, a vantagem adquirida na fase classificatória do Parazão pode ser perdida caso o Paysandu não vença as suas partidas contra o Leão Santareno.    
– A gente precisa voltar desse jogo da final da Copa Verde em condições de fazer uma boa partida contra o São Francisco, que é um adversário que sempre deu trabalho para a gente. Além disso, a vantagem dos empates que temos pode ser perdida para a final se a gente não ganhar. Por isso, estamos propondo que, se a CBF não fretar o voo, os jogos da semifinal sejam adiados para o dia 30 de abril e 7 de maio – adiantou.    
A reportagem tentou contato com o presidente da FPF, mas não obteve resposta. Por outro lado, o vice-presidente Maurício Bororó informou que a entidade deverá acatar o pedido de adiamento proposto pelo Paysandu e adiantou que o fretamento do voo é uma questão mais complexa, que envolve a logística da CBF.
**Fonte GloboEsporte/PA

Papão pega rival desesperado

O Paysandu encara o Maranhão-MA nesta noite, no Mangueirão, pela Copa do Brasil, em um jogo que vale, além da vaga para a próxima fase da competição, para avaliar a pegada do time para a maratona de jogos. O adversário tentará anular os pontos fortes do Bicolor para surpreender, já que, se for desclassificado, ficará sem competições pelo resto do ano. 
Já o Papão terá quatro decisões em onze dias. Hoje será a segunda partida da primeira fase da Copa do Brasil. No primeiro encontro, em São Luís (MA), os dois times empataram por 2 a 2. A decisão da vaga vai para as penalidades se esse placar se repetir. Um empate sem gols ou por 1 a 1 garante o Paysandu na disputa. Um empate de 3 a 3 em diante beneficia o MAC. Quem ganhar leva a vaga.
Depois de hoje, Mazola Júnior e seus comandados terão pela frente a final da Copa Verde (21), a primeira partida da semifinal do returno do Parazão (24) e a estreia na Série C do Campeonato Brasileiro (27). O jogo do Campeonato Estadual deve mudar de data, mas isso ainda carece de confirmação. De acordo com o treinador bicolor, esse é o momento do tão decantado elenco do Papão mostrar sua força e conseguir manter o desempenho do time mesmo com as mudanças que, se não hoje, devem acontecer nos próximos jogos;
“Uma coisa é ponto corrido, outra é mata-mata. Os desgastes físico e emocional das decisões são maiores. Felizmente hoje o Paysandu tem 23 titulares”, garantiu Mazola, que mostra muita confiança na resposta que os atletas podem dar neste momento. “Chegamos muito forte nesta reta final dessas competições. Temos o começo da Série C e, a decisão da Copa Verde e as finais do Estadual. Tenho certeza de que o elenco chegará muito forte.”
Mesmo com uma invencibilidade que já dura 20 jogos, bicolores e o treinador dizem encarar o jogo com máxima atenção para evitar o que seria considerado um vexame, uma desclassificação. “Temos que passar de fase; é uma obrigação. Por isso é uma decisão. O Maranhão é um time que vai dar a vida. Se forem eliminados, o ano acaba para ele”, lembrou o técnico.
“O adversário é muito rápido, com jogadores leves. Temos que impor nosso ritmo em casa. Estamos numa sequência muito boa de jogos e temos tudo para conseguir a classificação. Lá no Maranhão eles igualaram na marcação. Depois conseguimos virar. Temos que jogar como foi no segundo tempo, assim vamos conseguir o resultado”, observou o meia Marcos Paraná, que corre por fora para conseguir uma vaga no time. “Vai ser um jogo difícil, mas estaremos em casa e temos que impor nosso ritmo”, reforçou o zagueiro João Paulo.
Pelo lado maranhense, há a consciência de que a missão é das mais difíceis, mas não impossível. “Vamos em busca da classificação; sabemos que é difícil, mas nossa equipe vai em busca da vitória. Montamos nossa estratégia de jogo nesta partida procurando neutralizar o adversário”, afirmou o técnico Arnaldo Lira.
**Fonte JAmazonia

terça-feira, 15 de abril de 2014

Camisa especial do Centenário é apresentada em evento


Durante a apresentação do programa Rede de Descontos do Programa Sócio Bicolor, foi apresentado em primeira mão, e de forma oficial, a camisa comemorativa do Centenário do Paysandu, que levará 500 nomes de torcedores “apayxonados” do maior clube do Norte do Brasil. Os nomes colocados nesta camisa após a venda total do 1º lote. O presidente do Paysandu, Vandick Lima, apresentou a todos os presentes as camisas que, inicialmente, chegaram apenas para os jogadores. A camisa é uma edição limitada, e serão vendidos no total apenas dez lotes.

As camisas que os joagores irão usar em uma partida oficial, chegaram na tarde de ontem (14), e foi motivo de muita comemoração para presidente do clube, Vandick Lima. “A camisa ficou muito linda, e tenho certeza de que o torcedor que comprou o seu espaço na camisa ficará muito satisfeito com este produto”, disse o presidente, que também falou que as camisas dos torcedores chegarão até o final do mês. “Para os torcedores que compraram o seu espaço na camisa, elas (camisas) chegarão até o final do mês, e aí sim vamos informar os compradores das camisas para que eles possam receber sua camisa especial do Centenário”, disse Vandick.
Sobre a questão do uso da camisa especial do Centenário do Paysandu, Vandick ressaltou que acha muito difícil a utilização desta camisa no jogo da grande final da Copa Verde, contra a equipe do Brasília, na próxima segunda-feira (21). “Nós protocolamos um pedido à CBF para que a gente possa ter a autorização dela para a utilização da camisa, mas achamos muito difícil o uso dela por conta dos nossos patrocínios. O jogo será transmitido ao vivo por dois canais de TV, além da cobertura ampla que o jogo terá, por conta de ser uma final de campeonato. ”, disse.
Mas de acordo com o próprio presidente, a camisa poderá ser utilizada nos próximos jogos decisivos do Campeonato Paraense. “Nós não queremos uma situação desconfortante com os nossos patrocinadores, que pagaram o seu espaço para mostrar a sua marca neste jogo, e nem com os torcedores que compraram o seu espaço na camisa, que pagaram caro para isso e com certeza nenhum deles iria gostar de ver uma marca estampada em cima do seu nome. Então, para que não haja nenhum problema, vamos utilizar as nossas camisas com os nomes dos torcedores nos próximos jogos decisivos do Parazão, sem nenhuma logomarca e respeitando aquilo que está no contrato das camisas especiais do Centenário”, finaliza Vandick.
Conforme foi dito na matéria, as camisas comemorativas do Centenário do Paysandu que estão com os 500 nomes estampados chegarão até o final do mês. Assim que as camisas chegarem, todos serão avisados por telefone ou e-mail. Se você deseja comprar o seu espaço na camisa do Centenário do Paysandu e deixar o seu nome marcado na história do clube, clique aqui e veja mais detalhes de como adquirir a sua camisa.

**Fonte Site Oficial do Paysandu

Mazola define hoje o Bicolor

Técnico confirma equipe titular que vai enfrentar o MAC-ma em partida válida pela Copa do Brasil
Depois do empate por 1 a 1 com o São Francisco, pelo Parazão, o elenco bicolor voltou aos treinos ontem, já visando à Copa do Brasil. Os jogadores que estiveram em Santarém fizeram apenas um trabalho leve na academia da Curuzu, durante a tarde. Os que não foram relacionados treinaram no campo do Kaza, em Ananindeua. Desse trabalho participaram praticamente todos os titulares que foram poupados para serem utilizados na partida de amanhã, contra o MAC-MA.
Passado o Campeonato Paraense, o momento é de pensar na disputa da classificação para a segunda fase da Copa do Brasil. Para Djalma, que também deve ser titular na quarta-feira, o Paysandu deverá ter uma nova postura contra o time maranhense. “É uma competição diferente, de mata-mata. A gente não pode perder gol, não podemos tomar também. Tudo isso influencia nos jogos. Como vimos no jogo de ida, lá em São Luís, o time deles é muito rápido na frente, então precisamos ser muito inteligentes para não sermos surpreendidos”, disse o meia.
Hoje à tarde o técnico Mazola Júnior deve definir qual será a formação titular para amanhã, que volta a ter a força total. Segundo o zagueiro João Paulo, independente de quem for escalado, o time tem mostrado força com várias formações utilizadas. “Pela filosofia que o Mazola impôs no grupo, todos aqui se sentem decisivos e isso é importante”, disse. “Quem entra em campo significa força máxima. A disputa dentro do elenco é muito grande e isso fortalece o time. Acreditamos em nossa classificação nessa quarta-feira”, completou o jogador.
Mesmo sendo apontado como favoritos, os bicolores pregam respeito máximo ao oponente, o qual consideram perigoso. “O adversário é muito rápido, com jogadores leves. O professor passou isso antes do primeiro jogo e agora eles vêm até mais descansado. Vamos ter que ter muito cuidado, pois tivemos problemas em São Luís”, confirmou Marcos Paraná.
Adeus - O caso de amor entre o meia Lineker e o Paysandu está chegando ao fim. Com contrato encerrando nos próximos dias, o jogador não terá o vínculo renovado e deixará o Papão em busca de um novo lugar para desempenhar a carreira de jogador de futebol profissional.
**Fonte JAmazonia

Vandick está confiante na vitória do Papão

A diretoria do Brasília-DF confirmou nesta segunda-feira (14) que serão disponibilizados cerca de 64 mil ingressos para o jogo contra o Paysandu, no dia 21 de abril, às 17h, no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), em disputa decisiva pelo título da Copa Verde. A competição assegura ao campeão uma vaga na Copa Sul-Americana de 2015. O Paysandu joga pela vantagem do empate.
Para Vandick Lima, presidente do Paysandu, a expectativa é que - mesmo jogando fora de casa - a torcida bicolor compareça e ajude o time a conquistar o título. "Eu acho que nós vamos ter mais torcedores do Paysandu do que do Brasília-DF. Quanto à arbitragem, não vejo motivos para que o juiz beneficie o time brasiliense, e não acredito que questões políticas interferirão nessa partida", pontuou. "Acho que a gente tem de pensar em jogar bola: o time do Paysandu é superior ao Brasília e o Papão vai jogar em um campo neutro, em um campo bom. Tomara que a equipe esteja em um dia iluminado e possa trazer esse título para o nosso clube."
Quanto ao resultado do último confronto que garantiu ao Paysandu a vitória de 2 a 1 sobre o Brasília-DF, em partida válida pelo primeiro jogo da decisão da competição, Vandick disse que achou justo. “O resultado foi justo pelo que o Paysandu jogou e aquele lance no final da partida não faria justiça ao que o Paysandu jogou. Acho que o Papão poderia ter feito mais um gol para dar mais tranquilidade a equipe, porém, o Brasília-DF surpreendeu. Mas, o Paysandu tem, sim, condições de ganhar o jogo no Mané Garrincha”, afirmou.
**Fonte Portal DOL

Maratona pela frente

Quatro jogos em quatro competições diferentes: esse é o caminho do Paysandu nos próximos onze dias

No intervalo de onze dias, a partir de amanhã, quando encarar o Maranhão-MA pela Copa do Brasil, até o dia 27, quando estrear na Série C do Campeonato Brasileiro, diante do Águia, o Paysandu terá quatro partidas por quatro competições diferentes. Além das duas citadas, o Papão ainda vai enfrentar o São Francisco pela semifinal do segundo turno do Parazão e o Brasília-DF, na decisão da Copa Verde. É muito jogo atrás do outro em competições com formatos de disputas diferentes. Mas, para os jogadores, nada que atrapalhe o dia a dia de preparação. Pelo contrário. Eles afirmam que é assim que preferem.

“São competições decisivas para a gente, em especial as três primeiras, temos que ir fortes em todas. Agora é a decisão de uma vaga na Copa do Brasil, depois uma vaga na Sul-Americana. Mas, temos que pensar por parte e, primeiramente o MAC. Vai ser um jogo difícil, mas estaremos em casa e temos que impor nosso ritmo”, afirmou o zagueiro João Paulo.

Um dos desafios é separar os jogos entre si, já que alguns são decisivos e outros ainda estão em fase de classificação. O meia Marcos Paraná salienta a vivência dos atletas do grupo bicolor como uma boa forma de dissociar uma disputa de outra em momentos tão decisivos. “Dá para separar sim, uma competição da outra. Nosso grupo é bastante experiente, com jogadores rodados. Sabemos distinguir bem as competições. Eu, como jogador, gosto muito nessa hora de jogos decisivos, chegamos aqui por méritos nossos. É um momento importante para todos nós.”


João Paulo lembra que o fato de todos os jogos valerem muito a partir de agora facilita na forma como esses dias vêm sendo encarados. Então, diz ele, todos os dias são encarados da mesma forma. “Não confunde, não, até porque é só decisão agora. Então, dormimos e acordamos nesse clima decisivo. É tranquilo”. O zagueiro lembra que diante de todas as dificuldades encontradas até aqui, é obrigação do time se esforçar ao máximo para fazer valer tudo o que foi feito. “Administrar as competições é entrando em todos os jogos como se fosse uma decisão. Lutamos demais para chegar aqui e depois de roer o osso é o momento de comer o filé.”



O meia Djalma prega que a saída é buscar se concentrar ao máximo no jogo que está em evidência. No caso atual, o confronto contra o time maranhense pela Copa do Brasil. “Temos que esquecer o Parazão e focar somente na Copa do Brasil. É uma competição totalmente diferente, um mata-mata. O MAC é uma equipe perigosa e essa classificação será difícil”, finalizou o jogador.

**Fonte JAmazonia